Grêmio empilha seis atacantes e incorpora espírito “imortal.

Grêmio empilha seis atacantes e incorpora espírito “imortal.

O suor da careca de Alisson ajudou a desviar a cobrança de falta de Luan, aos 47 minutos do segundo tempo da noite de terça-feira, quando a esperança já começava a se esvair entre os 48 mil gremistas na Arena. O “espírito” do Grêmio ao buscar o 2 a 1 sobre o Estudiantes no fim do jogo e conquistar a vaga às quartas de final da Libertadores nos pênaltis fez lembrar tempos nos quais as vitórias vinham mais na vontade do que na bola.

O grupo atual, vencedor, não é livre de erros. Mas já mostrou que sabe incorporar este DNA do Tricolor à qualidade técnica quando necessário. A palavra mais ouvida após o jogo foi “coragem”. De Renato, ao escalar o time com seis atacantes no segundo tempo. Dos jogadores, ao não desistirem. De André, ao não se abalar com a reserva e garantir a classificação no último pênalti.

A tensão na Arena era quase palpável, especialmente na parte final. Mesmo com uma pressão sufocante, aos gremistas parecia que o lance da partida seria o chute de Jael, quase da marca do pênalti, que foi desviado pelo pé de Schunke e ainda resvalou na trave.

Porém, Alisson apareceu como um raio aos 47 minutos para desviar cruzamento de Luan e dar a possibilidade da disputa nos pênaltis. O gol do desafogo veio na bola parada, depois de Renato fazer substituições que deixaram o Grêmio com seis atacantes em campo.

Deixe seu comentário

Add Comment