Prevenção ao Suicídio

Prevenção ao Suicídio

 Setembro é marcado por ser o mês amarelo, em que se trabalha a prevenção do suicídio, sendo que o dia 10 de setembro é considerado o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio. Certamente, você já deve ter visto nas redes sociais alguma postagem a respeito…Mas então você pode se perguntar: por que falar em prevenção? Por que falar em suicídio, sendo esse um assunto tão polêmico e cheio de tabus? De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a cada 40 segundos, uma pessoa se suicida no mundo. São mais de 800 mil casos por ano (contra 470 mil casos de homicídio), e desses, aproximadamente 65 mil acontecem na região das Américas. Só no Brasil, cerca de 11 mil pessoas que se matam anualmente.Por muitos anos, pouco se falava sobre o suicídio. Ele era tido como um problema familiar, que devia ser escondido da sociedade. Isso, não fez com que a epidemia silenciosa do suicídio se extinguisse: pelo contrário, só no Brasil são 32 dois casos por dia – fora aqueles em que a causa da morte não é de fato investigada, ou nos casos em que evita-se dar o verdadeiro motivo da morte. O número torna-se ainda mais assustador, quando fala-se em tentativas: ocorrem 20 vezes mais tentativas do que suicídios. Pode-se perceber com esses dados, que não se trata de um problema apenas familiar, mas sim, um grave problema social.Esse fenômeno possui como um dos fatores de risco, a presença de doenças mentais: “trabalhos com base em autópsias psicológicas sugerem que mais de 90% das mortes por suicídio tenham uma doença mental diagnosticável e estima-se que 50-80% dos casos estejam associados a perturbações do humor” (SILVEIRA E FONTE, 2014, p. 242). Outros fatores de risco que podem ser apontados são a desesperança, a ansiedade, agitação, ideação suicida grave (ideias recorrentes e diárias de morte), doenças físicas e crônicas, histórico familiar de suicídio, fatores sociais e ambientais, e acontecimentos estressantes.Esses riscos somam-se ao fato de que, após uma tentativa de suicídio, não apenas a pessoa, mas também a família e amigos, sofrem com o preconceito da sociedade. Isso faz com que o sujeito sinta-se ainda mais só, envergonhado, e incompreendido pelos demais, não encontrando assim, forças para seguir, e nenhuma outra “luz no fim do túnel”, que não seja a concretização do suicídio.Diante do risco e/ou tentativa de suicídio, se faz necessário o acompanhamento psicológico e psiquiátrico. Mas também, é preciso que a sociedade ternha empatia com a dor do próximo. Não se sabe o que a pessoa realmente passa para querer por um fim em sua dor dessa forma. Não se vive a vida da pessoa, e não se sente o que e como ela sente. O sujeito que tenta suicídio precisa, assim como todos nós seres humanos, se sentir respeitado, acolhido, amado e livre de qualquer julgamento.Você sabia que desses 800 mil casos, cerca de 90% deles poderiam ter sido  evitados? Esse é o principal motivo de se falar em  prevenção do suicídio,  mas não somente em setembro, e sim, o ano todo. Pense nisso! Tenhas uma ótima semana de reflexão a todos! Até a próxima.
Magdalena L. Schneider

Psicóloga clínica CRP 07/27539

Pós-graduanda em Saúde Mental e Atenção Psicossocial

Gostou do texto? Quer saber mais? Quer sugerir assuntos?

Me siga nas redes sociais

Facebook: Psicóloga Magdalena Schneider

Instagram: @psicologamagdalena

Deixe seu comentário

Add Comment