Licitação do transporte coletivo deve sair no segundo semestre

Home Licitação do transporte coletivo deve sair no segundo semestre

O prefeito de Canoas, Luiz Carlos Busato, assinou na tarde desta segunda-feira (3) a Ordem de inicio de execução do mobilidade urbana.

O Plano de Mobilidade Urbana é um estudo que mostrará como a cidade se movimenta, e servirá para investimentos melhores e mais eficazes. Técnicos farão levantamentos de campo, e cerca de 8 mil canoenses serão entrevistados, em mais de 2,3 mil residências de todos os quadrantes da cidade. “A prioridade desse plano é que ele nos entregue as características do transporte que a população quer. A partir daí, nosso edital de licitação estará concluído”, disse o secretário municipal de Transportes e Mobilidade Urbana (SMTM), Admir Zanetti.

O plano tem o prazo de oito meses para ser concluído. Além das entrevistas pela cidade, três audiências públicas devem ser realizadas com a comunidade. “Além dos ônibus, queremos saber deles os desejos sobre ciclovias, mais espaços para veículos e uma porção de coisas para o trânsito”, comentou Zanetti.

Promessa de campanha
Já o prefeito, recordou que a licitação tinha sido prometida por ele durante a campanha de 2016. “Esse é um momento muito importante não só para a cidade, mas para nós também. Muita gente não acreditava que íamos cumprir essa promessa. Há muitos anos, Canoas espera por esse momento.”

Além disso, Busato ressaltou que nesses dois anos e meio de gestão, a Prefeitura cobrou diversas melhorias da empresa. Entre elas a renovação de frota. No período, foram colocados a disposição dos usuários 16 novos ônibus 0km e 52 semi novos. “Quando iniciamos o mandato, mais de 50% da frota era velha. Hoje, temos a melhor da Região Metropolitana.

Mais novidades
Durante a assinatura da ordem de inicio, Busato reforçou que vem mais novidades para os passageiros nos próximos dias. “Vamos colocar um aplicativo na rua para que a população possa controlar o horário do ônibus e acompanhar o trajeto dele. Mas, não vai ser só isso, não. Na plataforma, eles vão poder fiscalizar e avaliar a qualidade do serviço”.

 

Fonte: Agencia GBC