POLICIAIS MILITARES SÃO HOMENAGEADOS APÓS PRISÃO DE FORAGIDO, QUE PERCORREU 13KM EM FUGA E ATROPELOU UM POLICIAL MILITAR

POLICIAIS MILITARES SÃO HOMENAGEADOS APÓS PRISÃO DE FORAGIDO, QUE PERCORREU 13KM EM FUGA E ATROPELOU UM POLICIAL MILITAR

Logo após assumirem o serviço na cidade de Tramandaí, na última quinta-feira (13), PMs tentaram abordar um veículo, que fugiu da guarnição.
Após 13 km em acompanhamento do veículo, desde o bairro Oásis até o centro de Tramandaí, o condutor atropelou outro brigadiano em policiamento com motocicleta.
Em seguida, o condutor do veículo acabou colidindo em outros quatro veículos, e foi recapturado.
Em consulta ao sistema, verificou-se que o motorista do Fusion possuía uma vasta ficha criminal. Entre os antecedentes, 39 ocorrências por estelionato, 14 registros por ameaça, quatro casos de apropriação indébita, extorsão mediante sequestro, difamação e desobediência.
O condutor ainda se encontrava na situação de foragido da justiça por não retornar à prisão domiciliar na data de (3/2), sendo preso pela Brigada Militar após a colisão.
Após a ocorrência, policiais militares e demais condutores envolvidos no acidente passam bem.
Participaram da ação os policiais militares: tenente Adailton, sargento Ballejos, os soldados Gilson, Duarte, Ramos, Fagundes, Fernanda, Mendes, Bruno, Capellari, Franciele, Tiago Lemes, Soares, Anderson, Jader, Machado, Steinmetz e Boesch, que foram homenageados no final da manhã de sexta-feria (14/2) pelo comandante do 2° Batalhão de Policiamento em Áreas Turísticas, tenente-coronel Claudiomir Souza de Oliveira, na sede do Batalhão.
O comandante destacou “o alto preparo técnico policial, elevado senso de responsabilidade, conhecimento da missão, capacidade de raciocínio rápido, dedicação, astúcia, iniciativa e entusiasmo com a profissão” da equipe envolvida.
Na cerimônia de homenagem, os PMs se emocionaram com as palavras do tenente Adailton que relembrou os momentos de tensão: “emocionante pois estamos vivos, depois das loucuras que o preso fez que poderia ter matado qualquer um de nós ou da população”. Ele encerrou o discurso pedindo desculpas pela emoção, momento que o comandante do 2° BPAT o agradeceu e descartou as desculpas porque “somos todos humanos”, finalizou o comandante.